Artigos de suporte do Web750 e guias de procedimentos:


Guia para ajuste e otimização de desempenho do NGINX



Introdução


O NGINX teve um impacto significativo no mundo da tecnologia de servidores web desde a sua criação em 2004 por Igor Sysoev. Ele se destaca como um servidor HTTP e proxy reverso de alto desempenho, conhecido por sua estrutura leve e capacidade de lidar com alta simultaneidade.


Ao contrário dos servidores web tradicionais que geram um novo thread para cada solicitação recebida, o NGINX opera em uma arquitetura inovadora, assíncrona e orientada a eventos. Essa abordagem permite lidar com inúmeras solicitações simultaneamente em um único thread, reduzindo significativamente os recursos necessários para a operação e melhorando sua escalabilidade, especialmente em ambientes com recursos limitados.


O NGINX tem se tornado cada vez mais predominante entre muitos sites de alto tráfego devido à sua capacidade excepcional de fornecer conteúdo estático, gerenciar balanceamento de carga e executar cache HTTP eficiente. Essa versatilidade torna o NGINX um componente indispensável na infraestrutura web moderna, capaz de oferecer alto desempenho e confiabilidade.


A importância do ajuste e otimização do desempenho em servidores dedicados


A otimização do NGINX em servidores dedicados é um processo crítico. A configuração padrão do Nginx é robusta, mas são necessários ajustes finos e otimização para explorar completamente seus recursos.


Esse processo envolve o ajuste das configurações do Nginx para harmonizar com o hardware específico do servidor, as características da rede e a natureza do conteúdo que ele serve.


O ajuste e a otimização do desempenho envolvem muito mais do que apenas melhorar a velocidade. Eles são essenciais para garantir a confiabilidade, escalabilidade e utilização eficiente dos recursos do servidor.


Um NGINX configurado de maneira ideal em um servidor dedicado pode gerenciar mais solicitações por segundo, consumir menos memória e fornecer tempos de resposta mais rápidos. Essas melhorias elevam a experiência do usuário e podem contribuir para melhores classificações nos mecanismos de pesquisa.


Compreendendo a arquitetura NGINX


Arquitetura de manipulação de conexões do Nginx


A arquitetura do Nginx é uma obra-prima de eficiência de engenharia, projetada para lidar com muitas conexões simultâneas com sobrecarga mínima de recursos. Basicamente, o NGINX emprega uma abordagem orientada a eventos, assíncrona e sem bloqueio. Isso significa que o NGINX usa um número fixo de processos de trabalho em vez de gerar novos processos ou threads para cada solicitação.


Cada operador de processo é capaz de lidar com milhares de conexões simultaneamente. Esses trabalhadores contam com um loop de eventos altamente eficiente para gerenciar solicitações, utilizando mecanismos como o epoll no Linux, que são otimizados para lidar com cargas altas com baixa latência.


Essa arquitetura permite que o NGINX seja dimensionado horizontal e verticalmente com facilidade. Ele se destaca em ambientes com conexões ou solicitações simultâneas, como proxy reverso, balanceamento de carga ou funções de cache HTTP. Sua capacidade de gerenciar recursos com eficiência se traduz em menor uso de memória e carga de CPU em comparação com modelos tradicionais baseados em threads ou em processos.


Comparação com servidores Web tradicionais (Apache)


Comparar o NGINX com servidores web tradicionais como o Apache destaca suas vantagens arquitetônicas. O Apache, em sua configuração convencional, usa um modelo orientado a processos ou a threads.


Essa abordagem cria um novo thread ou processo para cada conexão, que pode consumir muitos recursos sob carga pesada. À medida que as conexões web simultâneas aumentam, o uso de memória e CPU do Apache aumenta, podendo levar a gargalos de desempenho.


Em contraste, o modelo orientado a eventos do Nginx se destaca em cenários de alta simultaneidade. Ele mantém um consumo de memória consistente e baixo, independentemente do número de conexões, proporcionando um desempenho mais previsível e estável.


Essa eficiência é especialmente evidente no fornecimento de conteúdo estático, onde o NGINX pode entregar mais solicitações por segundo usando os mesmos recursos de hardware do Apache.


Essa diferença na arquitetura e no tratamento de recursos torna o NGINX a escolha preferida para aplicativos da Web escalonáveis e de alto desempenho, especialmente em servidores dedicados onde o controle sobre os recursos é fundamental.


Configurando um servidor dedicado para NGINX


Guia de instalação passo a passo


A configuração do NGINX em um servidor dedicado envolve uma série de etapas simples:


Atualizar pacotes de servidores:


Comece atualizando a lista de pacotes do servidor para garantir a instalação da versão mais recente do NGINX. Isso pode ser feito usando ferramentas de gerenciamento de pacotes como apt para sistemas baseados em Debian ou yum para sistemas baseados em Red Hat.


Instale o NGINX:


Execute o comando de instalação:


Para Debian/Ubuntu: sudo apt install nginx


Para CentOS/RHEL: sudo yum install nginx


Iniciar serviço NGINX:


Depois que a instalação for concluída, inicie o serviço NGINX com sudo systemctl start nginx.


Ative o NGINX para execução na inicialização:


Ative o NGINX para iniciar automaticamente na inicialização usando sudo systemctl enable nginx.


Verifique a instalação:


Verifique se o NGINX está instalado e em execução acessando o endereço IP do seu servidor web em um navegador web. Você deverá ver a página de boas-vindas normal do servidor web NGINX.


Práticas recomendadas para configuração inicial e definições de segurança


Depois de instalar o NGINX, configurá-lo corretamente é crucial para obter desempenho e segurança ideais:


Configurar blocos de servidor:


Configure blocos de servidor (semelhantes aos hosts virtuais do Apache) para gerenciar vários domínios ou subdomínios.


Otimize os processos de trabalho:


Ajuste work_processes e work_connections no arquivo nginx.conf com base nas especificações de hardware do seu servidor para otimizar a utilização de recursos.


Implementar SSL/TLS:


Proteja seu site configurando certificados SSL/TLS. Let's Encrypt oferece certificados gratuitos que podem ser facilmente integrados ao NGINX.


Configurar regras de firewall:


Configure o firewall do servidor para permitir tráfego HTTP (porta 80) e HTTPS (porta 443). Ferramentas como o UFW (Uncomplicated Firewall) podem ser usadas para essa finalidade.


Desativar tokens de servidor:


Aprimore a segurança desativando os tokens do servidor na configuração do NGINX para evitar a exibição de informações da versão do NGINX.


Atualize regularmente o NGINX:


Mantenha o NGINX atualizado com a versão mais recente para garantir que você tenha os recursos, correções de bugs e patches de segurança mais recentes.


Seguir estas etapas essenciais e práticas recomendadas garantirá que sua instalação do NGINX em um servidor dedicado seja segura, eficiente e pronta para ajustes e otimização de desempenho adicionais.


Principais métricas de desempenho e ferramentas de monitoramento para NGINX


Métricas críticas de desempenho para NGINX


O monitoramento eficaz do desempenho do NGINX depende de diversas métricas importantes:


Solicitações por segundo (RPS): indica o número de solicitações HTTP que o NGINX processa a cada segundo. Valores altos de RPS significam tráfego intenso e carga do servidor.


Métricas de conexão: estatísticas de conexão importantes incluem Conexões ativas (conexões abertas no momento), Conexões aceitas (total de conexões aceitas) e Conexões tratadas (conexões tratadas com êxito). Uma discrepância entre conexões realizadas e gerenciadas pode indicar problemas.


Taxas de erro: o monitoramento de códigos de erro HTTP (como 4xx e 5xx) ajuda a identificar erros do lado do cliente e do lado do servidor.


Tempo de resposta: o tempo necessário para responder a um cliente é crucial para a experiência do usuário. Tempos de resposta mais longos podem indicar gargalos de desempenho.


Uso de recursos: os principais recursos do servidor, como carga de CPU, uso de memória e E/S de disco, são vitais para avaliar a integridade operacional e o desempenho geral do servidor NGINX.


Visão geral das ferramentas de monitoramento NGINX


Várias ferramentas estão disponíveis para monitorar o desempenho do NGINX, cada uma oferecendo vários recursos:


Módulo de status NGINX: este módulo integrado fornece métricas básicas como conexões ativas e contagens de solicitações. É uma maneira simples de obter um instantâneo do status atual do servidor.


GoAccess: um analisador de log de código aberto, o GoAccess oferece análise e visualização de log NGINX em tempo real, facilitando a compreensão de padrões de tráfego e possíveis problemas.


Datadog: uma solução de monitoramento mais abrangente, o Datadog oferece métricas em tempo real, painéis personalizáveis e alertas. É vantajoso para configurações maiores que exigem análise detalhada.


Prometheus e Grafana: para quem prefere ferramentas de código aberto, o Prometheus pode coletar métricas, enquanto o Grafana é excelente para criar painéis interativos e detalhados.


New Relic: uma poderosa ferramenta de gerenciamento de desempenho de aplicativos, o New Relic fornece insights detalhados, incluindo rastreamento de transações e análises detalhadas de desempenho.


O monitoramento regular usando essas ferramentas permite a detecção precoce de problemas de desempenho, ajudando os administradores a manter o desempenho e a confiabilidade ideais do servidor. Essa abordagem proativa garante alta disponibilidade e uma experiência de usuário tranquila em sites com tecnologia NGINX.


Técnicas de otimização para NGINX


A otimização do NGINX envolve uma abordagem abrangente de configuração e gerenciamento de recursos, garantindo que ele opere com eficiência sob cargas variadas. Aqui estão algumas técnicas críticas de otimização:


Configurando processos de trabalho e conexões


Processos de trabalho:


Defina a diretiva trabalhador_processes em nginx.conf para o número de núcleos de CPU disponíveis. Isso permite que o NGINX lide com várias conexões simultaneamente, maximizando a utilização da CPU.


Use auto para permitir que o NGINX ajuste esse número automaticamente com base nos núcleos disponíveis.


Conexões de trabalhadores:


A configuração work_connections determina o número máximo de conexões simultâneas que cada processo de trabalho pode manipular. Aumente esse limite com base na capacidade do seu servidor e na carga de tráfego esperada.


Uma abordagem comum é definir um número alto, como 1.024 ou mais, considerando os limites do descritor de arquivo do servidor.


Uso eficiente do cache


Cache de conteúdo estático:


Implemente o armazenamento em cache para ativos estáticos (como imagens, JavaScript, CSS) para reduzir o tempo de carregamento e a carga do servidor. Use a diretiva expires para definir tempos de vida de cache apropriados.


Utilize os cabeçalhos de cache do navegador para minimizar solicitações redundantes ao servidor.


Cache de proxy reverso:


Se o NGINX for usado como proxy reverso, ative o cache do proxy para reduzir a carga de back-end e melhorar os tempos de resposta para conteúdo dinâmico.


Configurações de compactação


Ativar compactação Gzip:


Use a compactação de conteúdo Gzip para reduzir o tamanho dos dados transmitidos pela rede. Configure as diretivas gzip no nginx.conf para compactar conteúdo baseado em texto, o que pode acelerar significativamente a entrega de conteúdo.


Usar balanceamento de carga


Configuração de balanceamento de carga:


O NGINX pode ser configurado como uma solução de balanceamento de carga para distribuir o tráfego entre vários servidores back-end, melhorando a escalabilidade e a confiabilidade do aplicativo.


Dependendo do seu caso de uso específico e do padrão de tráfego, utilize os vários métodos de balanceamento de carga do Nginx (como round-robin, mínimo de conexões ou hash de IP).


Verificações de integridade e failover:


Implemente verificações de integridade para garantir que o tráfego seja direcionado apenas para servidores back-end íntegros. Configure mecanismos de failover para redirecionar o tráfego em caso de inatividade do servidor.


A aplicação dessas técnicas de otimização pode melhorar significativamente o desempenho do Nginx em um servidor dedicado. Isso leva a tempos de resposta mais rápidos, uso eficiente de recursos e uma melhor experiência do usuário final. É essencial monitorar e ajustar regularmente essas configurações à medida que os padrões de tráfego e os requisitos dos aplicativos evoluem.


Ajuste avançado de desempenho para NGINX


O ajuste avançado do NGINX envolve aprofundar-se em sua configuração, visando áreas específicas para aprimoramento. Isso inclui tamanhos de buffer, otimização de SSL/TLS, ajustes de TCP e HTTP e estratégias de limitação de taxa.


Tamanhos de buffer de ajuste fino


Ajustes no tamanho do buffer:


Configurar tamanhos de buffer adequadamente pode melhorar significativamente a eficiência do Nginx. Configurações como client_body_buffer_size, client_header_buffer_size e large_client_header_buffers devem ser ajustadas com base na natureza das solicitações do cliente e no tamanho médio dos cabeçalhos.


A diretiva client_max_body_size pode ser aumentada para permitir solicitações maiores de clientes, o que é benéfico para uploads de arquivos ou interações de API.


Otimizando SSL/TLS para tráfego HTTPS


Cache de sessão SSL:


O cache de sessão SSL (ssl_session_cache) reduz a sobrecarga do handshake SSL/TLS para visitantes recorrentes, melhorando o desempenho do HTTPS.


Considere usar ssl_session_tickets para uma retomada de sessão SSL ainda mais eficiente.


Escolhendo conjuntos de criptografia ideais:


A seleção de conjuntos de criptografia eficientes por meio da diretiva ssl_ciphers pode aumentar a segurança e, ao mesmo tempo, manter o desempenho.


Otimizações TCP e HTTP


Nodelay TCP e TCP_NOPUSH:


Ativar tcp_nodelay e tcp_nopush pode otimizar a forma como o NGINX lida com pacotes TCP, melhorando a eficiência da transmissão de dados.


Implementação HTTP/2:


A adoção do HTTP/2 pode acelerar a entrega de conteúdo, especialmente para sites com vários recursos, como imagens, CSS e arquivos JavaScript.


Limitação de taxa e tratamento de alto tráfego


Implementação da limitação de taxa:


O módulo limit_req do Nginx permite controlar as taxas de solicitação, evitando abusos e garantindo uma distribuição justa de recursos entre os usuários.


Isso é especialmente útil para APIs e outros cenários em que solicitações excessivas podem levar à degradação do desempenho.


Fila de conexão:


Use a diretiva queue no módulo limit_conn para gerenciar como o NGINX enfileira e processa conexões de entrada durante picos de tráfego.


O ajuste avançado de desempenho no NGINX equilibra a otimização da velocidade, o tratamento eficiente de alto tráfego e a manutenção da estabilidade e segurança do servidor. Requer monitoramento e ajustes contínuos à medida que os requisitos dos aplicativos e os padrões de tráfego evoluem.


Solução de problemas comuns de desempenho do NGINX


Lidar com gargalos de desempenho no NGINX requer uma abordagem sistemática para identificar e corrigir problemas comuns.


Identificando gargalos de desempenho


Alto uso da CPU:


O uso excessivo da CPU geralmente indica configuração ineficiente ou tráfego intenso. Revise as configurações de work_processes e work_connections para otimização.


Verifique se há aplicativos com uso intensivo de recursos no servidor que possam consumir recursos da CPU.


Vazamentos de memória:


Vazamentos de memória podem causar degradação gradual no desempenho. Monitore o uso da memória ao longo do tempo e reinicie o NGINX, se necessário.


Atualize regularmente o NGINX para garantir que você tenha as correções mais recentes para qualquer vazamento de memória conhecido.


Análise de registros para ajuste de desempenho


Registros de acesso e erros:


Os logs de acesso e erros do Nginx são valiosos para diagnosticar problemas. Um grande número de erros ou padrões de acesso incomuns podem indicar problemas.


Procure códigos de erro recorrentes, como 504 (Tempo limite do gateway) ou 502 (Gateway inválido), que podem sinalizar tempos limite de upstream ou configurações incorretas.


Analisando tempos de resposta:


Monitorar os tempos de resposta nos logs de acesso ajuda a identificar solicitações de processamento lento. Tempos de resposta longos podem indicar a necessidade de armazenamento em cache ou balanceamento de carga.


Análise de bloco de servidor:


Revise a configuração de cada bloco de servidor. Configurações incorretas podem levar a problemas de desempenho, principalmente em configurações complexas com vários domínios ou aplicativos.


Módulos de terceiros:


Se estiver usando módulos de terceiros, verifique se eles são compatíveis com sua versão do NGINX e não estão causando conflitos ou consumo de recursos.


A solução de problemas eficaz no NGINX gira em torno de monitoramento proativo, análise de log e ajuste regular de configurações. A solução desses problemas comuns pode melhorar significativamente o desempenho e a confiabilidade das implantações do NGINX.


Práticas recomendadas e recomendações para desempenho do NGINX


Implementar as melhores práticas de ajuste de desempenho e manutenção do NGINX é essencial para a operação ideal do servidor. Aqui está uma lista consolidada de recomendações:


Práticas recomendadas de ajuste de desempenho:


Atualizações regulares: mantenha o NGINX atualizado com as versões mais recentes para se beneficiar de correções de bugs e melhorias de desempenho.


Processos e conexões de trabalho ideais: ajuste os processos de trabalho e as conexões de trabalho com base no hardware do servidor para maximizar a utilização de recursos.


Estratégias de cache: implemente o cache para ativos estáticos e conteúdo acessado com frequência para reduzir o tempo de carregamento e a carga do servidor.


Compressão: ative a compactação Gzip para conteúdo baseado em texto para reduzir a sobrecarga de transmissão de dados.


Otimização de SSL/TLS: ajuste as configurações de SSL/TLS, ative o cache de sessão e escolha conjuntos de criptografia apropriados para melhor segurança e desempenho.


HTTP/2: considere adotar o HTTP/2 para melhorar a velocidade de entrega de conteúdo, especialmente para sites com muitos recursos.


Balanceamento de carga: se necessário, configure o NGINX como um balanceador de carga para distribuição uniforme de tráfego entre servidores back-end.


Limitação de taxa: use a limitação de taxa para evitar abusos e garantir uma distribuição justa de recursos.


Recomendações de manutenção e monitoramento de rotina:


Backups regulares: mantenha backups atualizados dos arquivos de configuração do NGINX e dados do servidor.


Ferramentas de monitoramento: utilize ferramentas de monitoramento como Prometheus, Grafana, Datadog ou o módulo de status integrado do Nginx para monitorar o desempenho em tempo real.


Auditorias de segurança: realize auditorias de segurança periodicamente para identificar vulnerabilidades e aplicar os patches e atualizações necessários.


Análise de log: revise os logs de acesso e de erros em busca de padrões incomuns, erros ou gargalos de desempenho.


Gerenciamento de recursos: monitore os recursos do servidor (CPU, memória, espaço em disco) e aloque recursos adicionais.


Estratégias de escalonamento: planeje a escalabilidade adicionando servidores ou recursos adicionais quando o tráfego aumentar.


Testes regulares: realize testes de carga e benchmarking de desempenho para identificar possíveis problemas operacionais antes que eles afetem os usuários.


Documentação: mantenha documentação abrangente das configurações do NGINX, incluindo comentários e histórico de versões.


Ao aderir a essas práticas recomendadas e recomendações, o NGINX pode fornecer consistentemente alto desempenho, confiabilidade e segurança, ao mesmo tempo em que gerencia recursos de maneira eficaz e responde às mudanças nas condições de tráfego.


Tendências futuras e considerações de escalabilidade para NGINX


O futuro do NGINX no cenário de servidores Web


O futuro do Nginx continua promissor no cenário de servidores web em constante evolução. Várias tendências e desenvolvimentos estão moldando sua trajetória:


Conteinerização e microsserviços: a natureza leve e os recursos eficientes de proxy reverso do Nginx o tornam ideal para ambientes em contêineres e arquiteturas de microsserviços. À medida que esses paradigmas continuam a ganhar força, o NGINX desempenhará um papel tecnológico crucial na facilitação da comunicação eficiente entre serviços.


Edge Computing: O crescimento da edge computing exige entrega de conteúdo rápida e confiável para locais de edge. Os recursos de cache de conteúdo, balanceamento de carga e SSL/TLS do Nginx o posicionam como um componente valioso em implantações de servidores de borda.


Adoção de HTTP/3: com a crescente adoção do HTTP/3, a compatibilidade do Nginx com este protocolo mais recente garante que ele permaneça relevante para a entrega de conteúdo de forma rápida e eficiente, especialmente em redes de alta latência.


Estratégias para dimensionar o NGINX em servidores dedicados


A escalabilidade do NGINX em servidores dedicados envolve planejamento estratégico e gerenciamento de recursos:


Escalonamento horizontal: adicione mais servidores dedicados para distribuir o tráfego e garantir redundância à medida que a demanda aumenta. Implemente um balanceador de carga antes de várias instâncias NGINX para uma distribuição de tráfego eficiente.


Escalonamento automático: considere implementar soluções de escalonamento automático que adicionem ou removam automaticamente servidores com base em padrões de tráfego e utilização de recursos.


Redes de distribuição de conteúdo (CDNs): integre o NGINX às CDNs para armazenar conteúdo em cache mais próximo dos usuários finais, reduzindo a carga no servidor de origem e melhorando a velocidade de entrega de conteúdo.


Otimização do banco de dados: otimize as consultas do banco de dados e os serviços de back-end para garantir que eles possam lidar com o aumento do tráfego de maneira eficiente, sem se tornarem um gargalo.


Monitoramento e alertas: implemente sistemas robustos de monitoramento e alertas para identificar problemas de desempenho e dimensionar recursos conforme necessário de forma proativa.


As organizações podem garantir que sua infraestrutura baseada em NGINX permaneça ágil e possa atender às crescentes demandas de servidores web, alinhando o NGINX com essas tendências futuras e empregando estratégias escalonáveis. A adaptabilidade e os recursos de otimização de desempenho do Nginx continuarão a torná-lo uma escolha ideal para organizações que buscam soluções de servidor web de alto desempenho.


Conclusão


Concluindo, o NGINX se destaca como um pilar formidável na tecnologia de servidores web, evoluindo continuamente para atender às demandas de um cenário digital dinâmico.


O NGINX capacita as organizações a fornecer serviços Web mais rápidos, mais confiáveis e mais seguros por meio de ajuste meticuloso de desempenho, otimização e manutenção proativa.


Ao olharmos para o futuro, a adaptabilidade do Nginx às tendências emergentes, como conteinerização, microsserviços, computação de ponta e HTTP/3, reafirma sua relevância. Além disso, dimensionar o NGINX em servidores dedicados por meio de abordagens estratégicas garante sua capacidade de lidar com demandas crescentes.


Ao adotar o NGINX e suas melhores práticas, as organizações podem navegar com confiança no cenário em evolução dos servidores web, proporcionando experiências excepcionais aos usuários da web e permanecendo na vanguarda da tecnologia web.


Useful links / Resources


  • NGINX (Official website)

  • Nginx Web Server documentation

  • Tuning Nginx

  • Nginx (WikiPedia)

  • Nginx Status Module

  • Prometheus

  • Monitor NGINX easily with Grafana

  • Support Article (in English)

  • Dedicated servers with Nginx (Web750)

  • Go back to Web750